2019 é um ano de mudanças para a Disney, sendo que a sua “maior prioridade” para o presente ano, segundo o seu CEO, Bob Iger, é o lançamento do serviço de streamingDisney+.

Durante este processo, a empresa fundada por Walt Disney e Roy O. Disney irá finalizar o seu atual contracto com a Netflix, de forma a ter todo seu conteúdo exclusivo à nova plataforma, quer sejam filmes, séries, e outro tipo de conteúdos originais.

Grande parte da programação original planeada para a Disney+ encaixa-se nos franchises da empresa, tal como a Marvel e Star Wars. Outra particularidade da plataforma é que esta será a única a transmitir os filmes (originais) depois que estes estrearam nos cinemas, começando por Capitão Marvel (Anna Boden, Ryan Fleck, 2019), que se encontra em exibição nas salas de cinema portuguesas. Adicionalmente, Bob Iger revelou que o serviço vai abrigar toda a biblioteca de filmes da Disney “em breve”, após o lançamento oficial.

Depois, não devemos esquecer a concorrência directa. A Netflix exibe séries e filmes originais quase diariamente, enquanto que a CBS está prestes a lançar a sua plataforma CBS All Access, que irá conter variados conteúdos da saga Star Trek”, entre outras obras originais. Já a NBC Universal, a Warner Media (dona da HBO), e a Apple, estão a ‘construir’ os seus próprios serviços de streaming. De lembrar que a DC Entertainment tem seu serviço digital, DC Universe, cheio de séries, filmes e bandas-desenhadas.

Vamos tentar desmistificar um pouco mais o que este novo serviço (Disney+) tem para oferecer aos seus futuros clientes:
Os usuários terão a possibilidade de se inscrever com uma taxa mensal, ainda não anunciada, para ter acesso a programas de TV, filmes, e outros conteúdos do mundo Disney;
Os outros serviços de streaming da Disney  Hulu e o ESPN+ – serão executados na mesma plataforma, de forma a que o cliente possa aceder às diferentes plataformas com a mesma senha e informações de cartão de crédito. Contudo, os três serviços terão assinaturas individuais.
– A Disney ainda não se pronunciou quanto ao custo das subscrições, contudo espera-se que custe menos do que a Netflix;
– Todo o conteúdo da Disney irá deixar de estar disponível na Netflix até ao final de 2019;
– A plataforma terá o conteúdo da própria Disney, Marvel, Lucasfilm, Pixar e National Geographic;

Conteúdo que irá estar disponível na plataforma Disney+:
– Nova temporada da série “Star Wars: Clone Wars” (exclusivo)
– Filmes da Marvel, a começar com “Capitão Marvel” (2019)
– Filmes da Pixar, a começar com o novo “Toy Story 4” (2019)
– Filmes da saga “Star Wars” (1977-…), a começar com o “Episódio 9” (2019)
– Uma série de Star Wars de grande orçamento e live-action chamada The Mandalorian, produzida por Jon Favreau (“Homem de Ferro”, 2008)
– Uma prequela da série de “Star Wars: Rogue One”, com o actor Diego Luna (“Rogue One: Uma História de Star Wars”, 2016)
– Série da Marvel em live-action focada na personagem dos “Vingadores”, Loki, interpretado por Tom Hiddleston (“Thor”, 2011)
– Possíveis séries de personagens do mundo Marvel
– Série de animação baseada na história da Pixar, “Monstros e Companhia
– Uma série de 10 episódios, Diary of a Female President, sobre uma rapariga cubano-americana de 12 anos
– Um documentário sobre a Walt Disney Imagineering, responsável pela criação e construção dos parques temáticos da Disney em todo o mundo
– Um filme de Timmy Failure realizado por Tom McCarthy (“O Caso Spotlight”, 2015)
– Um remake de “A Dama e o Vagabundo” (1955) em live-action
– Remake de “A Espada Era a Lei” (1963)
– “Noelle”, um filme que terá no elenco Anna Kendrick (“Um Pequeno Favor”, 2018)
– “Togo”, filme que tem como personagem principal um cão de trenó, no qual vai participar Willem Dafoe (“À Porta da Eternidade”, 2018)
– Remake do filme “Três Homens E Um Bebé” (Leonard Nimoy, 1987)
– O filme “The Paper Magician”, baseado na obra literária de fantasia, da autoria de Charlie N. Holmberg
– Filme “Stargirl
– Uma série com o tema “High School Musical”
– Uma possível série sobre “Os Marretas