A KINO – Mostra de Cinema de Expressão Alemã está de volta para apresentar em Lisboa, Porto e Coimbra as mais recentes tendências do cinema da Alemanha, da Áustria, de Luxemburgo e da Suíça, bem como um programa de curtas metragens e documentários. A complementar este programa haverá ainda a Mostra para Escolas, destinada ao público jovem da KINO. A 13ª edição da KINO, organizada pelo Goethe-Institut Portugal, começa no próximo dia 27 de janeiro e estende-se até ao dia 4 de fevereiro.

A edição deste ano apresenta 37 filmes, entre os quais 30 filmes são alemães, três austríacos, três suíços e um luxemburguês. A KINO 2016 propõe este ano 12 longas metragens de ficção na secção Mostra Principal, sete documentários na secção KINOdoc, oito longas-metragens na retrospectiva Rosa von Praunheim, sete curtas metragens em duas sessões de curtas e por fim três filmes para o público mais jovem na secção Mostra para Escolas.

Rosa von Praunheim terá portanto uma retrospectiva dedicada à sua obra, organizada em colaboração com a Cinemateca Portuguesa e o crítico de cinema Augusto M. Seabra.. O realizador é uma figura importante e polivalente do movimento político homossexual na Alemanha, realizador de mais de setenta filmes, autor e professor de cinema.

O argumentista Ulrich Peltzer, a realizadora Elfi Mikesch e os realizadores Oliver Sechting e Karl Markovics são também alguns dos convidados desta edição da KINO.

Abordando aspetos da realidade como a busca de refúgio e a procura de asilo — tratados em três documentários, respetivamente da Alemanha, Áustria e Suíça, a partir de três perspetivas diferentes —, a KINO afirma-se assim como uma mostra tematicamente bem atual. A par desses, temas como a terra natal e a família ocupam também um papel de destaque no programa desta mostra de cinema, que decorrerá ao longo de oito dias.

“Sob a designação «Novas Perspetivas» estreia-se nesta edição de KINO um novo olhar que, abrangendo todas as secções do festival, pretende destacar as primeiras obras de jovens talentos da realização”. Apresenta, entre outros, filmes de ficção e documentários da secção «Perspektive Deutsches Kino (Perspetiva Cinema Alemão)» da Berlinale, o Festival Internacional de Cinema de Berlim.

“As Mentiras dos Vencedores”, de Christoph Hochhäusler, inaugura esta edição do festival no Cinema São Jorge, dia 27 de janeiro, às 21h30. Este filme é um thriller político que narra a história de Fabian Groys, um jornalista de renome na redacção berlinense de uma revista de informação política que tem trabalhado numa reportagem de grande fôlego sobre as Forças Armadas e o modo como estas lidam com os inválidos de guerra. Porém, a investigação encontra-se num beco sem saída. Há algo que faz com que Groys desconfie. Será que pode confiar nas suas informações? Qual o papel das Forças Armadas e dos lobistas?. “As Mentiras dos Vencedores” foi seleccionado, em 2014 para o Festival de Cinema de Roma, em Itália e para o Festival Internacional de Cinema Hof, na Alemanha, no mesmo ano.

O filme de encerramento será “Supermundo”, do ator e realizador Karl Markovics, que em 2012 estreou o seu primeiro filme (“Respirar”) na KINO. “Supermundo” conta a história de uma mulher de 50 anos, Gabi Kovanda, que trabalha num supermercado e a sua vida reparte-se entre a família e o emprego, entre a casa e o local onde trabalha. Mas certo dia, quando Gabi regressa a casa do trabalho, acontece algo que transforma a sua vida por completo. Não é nada que se veja, nem nada que se oiça, mas atinge Gabi subitamente como um raio – um encontro com Deus.

A KINO 2016 vai ainda passar por Coimbra (28 a 30 de janeiro) no Teatro Académico de Gil Vicente e pelo Porto (30 janeiro a 1 fevereiro) na Fundação de Serralves e Casa das Artes.

 

Programa Principal

As Mentiras dos Vencedores, de Christoph Hochhäusler

Heróis Suíços, de Peter Luisi

Ponto sem retorno, de Christian Frosch

The Cut, de Fatih Akin

Ida sem volta, de Christian Zübert

Somos Jovens. Somos Fortes., de Burhan Qurbani

Pais, de Robert Thalheim

Um lugar ideal, de Anatol Schuster

Moço Teimoso, de moritz Krämer

Quando Sonhávamos, de Andreas Dresen

Febre, de Elfi Mikesch

Supermundo, de Karl Markovics

KINOdoc

Território desconhecido, de Anna Thommen

Servidores do estado, de Marie Wilke

Lampedusa no inverno, de Jakob Brossmann

Espaços livres, de Filippa Bauer

Boas-vindas em alemão, de Hauke Wendler & Carsten Rau

O camponês ficas tu, de Benedikt Kuby

Como aprendi a gostar de números, de Oliver Sechting & Max Taubert

KINO 2016_2

Fonte: KINO