Copyright © 2018 Rosa FIlmes, All rights reserved.

“Pacifiction – Tourment sur les îles”: produção portuguesa na competição de Cannes

PACIFICTION – TOURMENT SUR LES ÎLES, um filme de Albert Serra, é uma coprodução internacional que tem como atores principais Benoît Magimel, que este ano ganhou o César de melhor ator em França, e o crítico de Arte Alexandre Melo, no elenco principal. É a primeira produção portuguesa desde 2006 no Festival de Cinema de Cannes.
Trata-se do quarto filme de Albert Serra produzido pela Rosa Filmes. O primeiro, A MORTE DE LUÍS XIV, esteve presente na seleção oficial do Festival de Cannes em 2016, em que o ator principal, Jean-Pierre Léaud obteve a Palm d’Honneur, tendo tido rodagem no palácio de Queluz e pós produção em Portugal. ROI SOLEIL, inteiramente rodado em Portugal, obteve o Grand Prix do FIDMarseille em 2018. LIBERTÉ, da seleção oficial de Cannes de 2019, obteve o prémio especial do júri no “Un Certain Regard”; o filme foi integralmente rodado em Portugal.

A Rosa Filmes está neste momento em pré-produção do próximo filme de Albert Serra, I AM AN ARTIST, que retrata o mundo da arte contemporânea, com rodagem em Portugal prevista para o final do corrente ano.

Copyright © 2018 Rosa FIlmes, All rights reserved.

TOURMENT SUR LES ÎLES passa-se na ilha do Taiti, na Polinésia Francesa. De Roller (Benoît Magimel), procurador geral da república na ilha, é um homem que tem que enfrentar todas as frentes políticas de uma situação pós-colonial: dos interesses do povo originário do Taiti, aos interesses financeiros que exploram o turismo na ilha, pairando sempre sobre o território a sombra dos testes nucleares iniciados nos anos 50. Mas a vida de De Roller também está dividida pelo seu lado diurno e noturno (vivendo fascinado pela bela Shana, uma māhū kāne, uma tradição do Taiti, em que a um recém-nascido de sexo masculino é atribuído o género feminino), que vai influenciar todas as frentes das suas decisões políticas. O rumor de que há um submarino atómico que aparece e desaparece nas águas da ilha, cria uma presença fantasmagórica que traz para o presente a ameaça concreta do reinício dos testes nucleares franceses. De Roller vai também ser engolido por esta ameaça, tornado a sua realidade e a da ilha numa alucinação.

Skip to content