Fosse o autor desta crítica condenado a escrever um texto por dia sobre Palm Springs para toda a eternidade, dificilmente haveria textos que não referissem, mesmo que numa pequena menção, o filmeO Feitiço do Tempo. O filme, de título original “Groundhog Day” e estreado em 1993, já observou tantas adaptações, remakes e paródias que já se pode considerar um género em si mesmo e uma referência obrigatória quando se aborda a temática do “dia que se repete infinitamente”. Desde 1993 têm-se sucedido inúmeras tentativas de reinventar o conceito, usando os mais diversos géneros e artifícios cinematográficos.

Em “Palm Springs” parte da inovação reside na existência de dois protagonistas (em vez de um, como é tradição) presos no ciclo. Estes são as personagens de Nyles (Andy Samberg) e Sarah (Christin Milioti). O filme começa já com Nyles integrado e habituado à sucessiva repetição do mesmo dia, o dia do casamento de uma amiga da sua namorada. Este início in media res, sob o ponto de vista de Nyles adiciona alguma ambiguidade à sua personalidade, que o espectador vai pouco a pouco percebendo. Também o facto de já se encontrar numa posição confortável e conformada afigura-se como uma novidade no já mencionado género. Quando Sarah, a irmã da noiva, se lhe junta no ciclo infinito, essa tranquilidade e conformismo são postos em causa e as reações de ambos os protagonistas ao sucedido quebram o balanço que Nyles mostra ter demorado a alcançar.

Desde o princípio, o filme cria um ambiente leve e de comédia, em linha com o filme de que se inspira. Ainda que muitas das conversas entre Nyles e Sarah deixem o filme um pouco mais pesado, com algum niilismo à mistura, a dupla de protagonistas brilha como par cómico e surpreende pela sua química. Andy Samberg brilha sobretudo, e como seria de esperar, nas cenas em que o tom se aproxima mais da comédia. No entanto, quando o momento pede uma entrega mais dramática (ou mais séria, como se costuma por vezes dizer), Samberg conseguiu dar a resposta adequada, mostrando que não se limita a interpretar personagens no mesmo registo. Christin Milioti apresenta uma ainda maior consistência e deixa a dúvida do porquê de não ter mais papéis de protagonista. Embora Nyles possa ser considerada a personagem principal, é Sarah que experiencia o maior crescimento como personagem.

“Palm Springs” está a ser distribuído neste momento pela plataforma de streaming da Hulu, distribuidora que efetuou a compra do filme durante o festival de Sundance de 2020 por valores recorde. Tanto na realização como no argumento é constituído por estreantes em longas-metragens (Max Barbakow e Andy Siara, respetivamente). É um filme adequado para um período de confinamento, quando se perde a noção dos dias e tanto o ontem parece hoje, como o hoje parece hoje, como o amanhã parece hoje.

«Palm Spring» - A Reinvenção de Uma Fórmula
3.5Valor Total
Votação do Leitor 0 Votos