Quando fui ver «Sacanas Sem Lei» ao cinema, confesso que não estava com muitas expectativas. As luzes apagam-se e o filme começa com uma música muito bela e triunfal, ao estilo de um spaghetti. Letras enormes do elenco aparecem num fundo preto. Os primeiros 20 minutos de filme são magistrais. O início do filme é deveras triunfal. Fez-me lembrar por momentos alguns filmes de Sergio Leone, «Era Uma Vez no Oeste» e «O Bom, O Mau e O Vilão». Tarantino realizou este filme na Europa, ao estilo americano.

A história passa-se em França, durante a 2ª Guerra Mundial, ocupada pelos Nazis. Shosanna Dreyfus (Mélanie Laurent) é testemunha da execução da sua própria família, pelas mãos do Coronel nazi Hans Landa (Christoph Waltz). Shosanna consegue escapar por pouco e foge para Paris, onde assume uma falsa identidade como proprietária e operadora de um cinema. Noutro local da Europa, o Tenente Aldo Raine (Brad Pitt) organiza um grupo de soldados judeus americanos capazes de executar investidas rápidas e chocantes. São conhecidos como “os sacanas” e unem-se à atriz e agente infiltrada alemã Bridget von Hammersamrk numa missão para destruir os líderes do Terceiro Reich. No final, todos estão presentes no Cinema de Shosanna, onde esta também fez o seu próprio plano de vingança.

Tarantino quebrou todas as barreiras do género de cinema. Criou a sua versão de como a 2ª Guerra Mundial poderia ter  acabado. Este filme é sem dúvida uma vingança dos judeus, o pesadelo dos nazis e um wetern passado em França, na 2ª Grande Guerra. Tarantino faz um filme de género de guerra, mas sem cumprir as referencias históricas.

Quentin Tarantino ficou famoso pelo seu estilo muito próprio. Capaz de criar, personagens exageradas, com pormenores originais; cenas de ação impressionantes; diálogos longos, inteligentes, cómicos e tão interessantes. Os primeiros 20 minutos de filme, provam isto mesmo. A estrutura narrativa de Tarantino é comum nos seus filmes, “divididos” por capítulos.

A fotografia é magnífica, com tons quentes e por vezes frios, fazendo lembrar um western, sendo uma das melhores de todos os seus filmes. A banda sonora é excelente, com temas de Ennio Morricone, e de outros compositores. É de notar que Tarantino nunca usou, em nenhum dos seus filmes, música original.

O elenco deste filme é gigantesco e conhecido do público. Com atores americanos e europeus,  juntou um elenco muito interessante. Brad Pittfez um dos seus melhores papéis, destacando a cena mais divertida – quando Aldo Raine tenta falar em italiano no cinema. Mas o ator que mais se destaca de todos os outros é Christoph Waltz, que interpreta um nazi complexo e sádico que fala várias línguas (ganhou prémio de interpretação em Cannes).

Está nomeado para oito Óscares da Academia: Melhor Filme, Melhor Realizador, Melhor Argumento Original, Melhor Actor Secundário, Melhor Fotografia, Melhor Montagem, Melhores Efeitos Sonoros e Melhor Som. «Sacanas Sem Lei» é sem dúvida um dos melhores filmes do ano (2009), um dos melhores filmes do género de guerra e um dos melhores filmes de Tarantino.

Realização: Quentin Tarantino

Argumento: Quentin Tarantino

Elenco: Christoph Waltz, Brad Pitt, Brad Pittfez

EUA/2009 – Acção/Aventura/Guerra/Drama

Sinopse: No primeiro ano da ocupação de França pelos alemães, Shosanna Dreyfus testemunha a execução da sua família pela mão do Coronel Nazi Hans Landa. Shosanna escapa por pouco, fugindo para Paris onde falsifica uma nova identidade como proprietária e operadora de um cinema. Noutro local da Europa, o Tenente Aldo Raine organiza um grupo de judeus americanos, soldados, para executar investidas rápidas e chocantes de retribuição. Conhecidos pelos seus inimigos como “os sacanas”, o bando de Raine une-se à actriz e agente infiltrada alemã Bridget von Hammersmark numa missão para destruir os lideres do Terceiro Reich. O destino de todos eles converge sob um letreiro de cinema, onde Shosanna está determinada em criar o seu próprio plano de vingança…

 

«Sacanas Sem Lei» - Uma Sátira Violenta ao Nazismo
4.0Valor Total
Votação do Leitor 0 Votos