“Fátima”, filme realizado pelo italiano Marco Pontecorvo, uma produção norte-americana, protagonizada por Harvey Keitel e Lúcia Moniz, estava previsto chegar às nossas salas de cinema no final deste mês, mas, devido à pandemia do Covid-19, teve de ser adiado.

Fátima conta a história de um pastor de 10 anos e os seus dois primos jovens em Fátima que relatam ter visões da Virgem Maria. As suas revelações inspiram os crentes, mas enfurecem os funcionários da Igreja e do governo, que tentam forçá-los a retratar a sua história. À medida que a palavra da sua profecia se espalha, dezenas de milhares de peregrinos religiosos reúnem-se no local na esperança de testemunhar um milagre.

O elenco reúne Harvey Keitel, Goran Visnjic, Joaquim de Almeida, Sônia Braga, Joana Ribeiro, Lúcia Moniz, Stephanie Gil, Dinarte de Freitas, Isabel Ruth, João Maria Pinto, Carla Chambel, Carmen Santos, entre outros.

Inspirado no fenómeno religioso ocorrido há 100 anos, as filmagens decorreram em Portugal em lugares como Lisboa, Fátima, Coimbra e Tomar. Com um investimento de seis milhões de euros, o filme teve também apoio do Instituto do Cinema e do Audiovisual (ICA).

Esta é a segunda longa-metragem realizada por Pontecorvo, após o premiado drama “Pa-ra-da” (2008). O realizador é conhecido sobretudo como director de fotografia nas séries da HBO “Guerra dos Tronos” e “Roma”.

“Fátima não é um filme sobre religião. É um filme sobre o poder da fé em tempos de conflito e turbulência”, afirmou Rose Ganguzza, uma das produtoras do filme.

“É incrível perceber que, em 1917, antes da televisão, da internet ou de qualquer comunicação de massa confiável, 70 000 pessoas reuniram-se neste local remoto para testemunhar um milagre antecipado”, disse o produtor James T. Volk. “É realmente uma história notável, baseada em eventos reais e estamos entusiasmados por fazer parceria com a Picturehouse para o lançamento deste filme.”

A música “Gratia Plena” foi interpretada por Andrea Bocelli e composta pelo compositor italiano Paolo Buonvino.

A estreia nos EUA, que estava prevista para 24 de abril, foi adiada para 14 de agosto. Em Portugal, foi adiada para maio, mas sujeita a alterações.