30ª Curtas de Vila do Conde: Ice Merchants e Mistida saem vencedores do festival

A celebrar trinta anos e de boa saúde, o Festival Internacional de Curtas de Vila do Conde juntou o melhor da produção nacional apresentada em festivais como Cannes, não deixou de homenagear o passado e o lugar do Mar tão típico na zona costeira, e houve lugares para estreias e antestreias nacionais como o caso de Alcarràs.

O grande prémio da competição internacional foi para Nest de Hlynur Pálmason, e podemos aqui assistir à entrevista dada pelo realizador a principal atriz na mais recente Berlinale.

 

O melhor filme de ficção da competição internacional foi atribuído a Cuerdas, de Estibaliz Urresola Solaguren, diretamente da seleção de Cannes de 2022.

 

Haulout, de Evgenia Arbugaeva, e Maxim Arbugaev foi vencedor do Melhor Documentário.

 

A melhor animação internacional coube a Scale, de Joseph Pierce, presente na Semaine de la Critique de Cannes deste ano.

 

Ice Merchants, de João Gonzalez, é o grande vencedor do Festival, com reconhecido mérito arrecada o Prémio Fundação INATEL, Prémio do Público Fricon para melhor filme da competição internacional, e o Prémio Pixel Bunker para melhor Filme Português. Depois da estreia mundial e de ter sido  galardoado com o Prémio do Júri da Semaine de la Critique para melhor curta-metragem em competição, que foi a primeira vez na história da Semaine, que completou este ano 61 edições, que um filme de animação vence o prémio Leitz Cine Discovery Prize desta secção. O realizador soma e segue após Nestor.

 

Outro dos grandes vencedores foi Mistida de Falcão Nhaga, ao arrecadar o Prémio Showreel, Prémio Instituto Português do Desporto e da Juventude, Prémio Restart + para melhor filme, e Prémio Blit para melhor realizador da competição Take One!. Curta produzida pela Escola Superior de Teatro e Cinema, foi seleccionada pela La Cinef, a secção competitiva do Festival de Cannes dedicada a filmes de escola do mundo inteiro e novas vozes do cinema independente.

 

O Prémio Kino Sound Studio para melhor realizador português coube a Carlos Lobo pela curta Aos Dezasseis. O filme esteve selecionado  para a 72ª edição do festival alemão, e integrou a Competição Generation 14Plus.

 

 

Skip to content