Drive My Car (2021)

“Drive my Car – I’m gonna be a star and maybe I love you”

Um filme não falado em inglês e com três horas de duração costuma ser um desafio para o público, muito mais para chegar a nomeações para os Óscares. No entanto é assim com três nomeações, que nos chega o filme “Drive my Car” de Ryûsuke Hamaguchi adaptado de um conto de Haruki Murakami do livro “Homens sem Mulheres”. O primeiro filme japonês com nomeação para a categoria de Melhor Filme. A adaptação conta também com a participação de Takamasa Oe.
Há sempre algo especial nos personagens e nos mundos criados por Murakami. O mundo que ele cria fica no limiar onde os aspectos metafísicos deixam de existir e a realidade espiritual estende os seus braços em todas as direções. Muitas vezes, a dualidade não é claramente demarcada e as linhas são quase invisíveis. Há uma abundância de verbosidade com pouca ou nenhuma lógica para apoiá-la. Os personagens experimentam um silêncio ensurdecedor. Ele puxa ao limite os parâmetros morais, onde muitas vezes não deixamos nem um pingo de dúvida. O prolífico escritor acaba quase sempre a questionar-se sobre a sua própria existência. Murakami tem o dom de criar os melhores conflitos possíveis que levam a narrativa adiante, confundindo e criando esse espaço para dúvidas, várias vezes. Há algo sobre a narrativa que é capaz de semear as sementes da imaginação na mente, que expulsa das crenças, mas ainda é relacionável. Os personagens tendem a passar por uma epifania que os liberta. É a obscuridade que é a principal fonte de medo. É a apreensão que se origina de uma percepção em que se cogita a possibilidade de nunca ser capaz de seguir em frente e começar a correr num sonho lúcido, sem saber para onde ir e quando parar.

Drive My Car (2021), Ryûsuke Hamaguchi

Hamaguchi consegue que de alguma forma as três horas passem sem que perceba, absorve o ritmo e ambiente de Murakami na perfeição. Uma obra-prima perfeitamente ritmada e primorosamente trabalhada, este é um filme surpreendente. Um estudo íntimo de personagens e uma contemplação cativante de amor, dor e conexão humana. A actuação é outro dos pontos a ressaltar. É um filme de grande prazer físico e visceral, apesar de toda a tristeza. Os personagens falam apenas quando têm algo a dizer. Há pouca conversa fiada. Há muito silêncio, o que assusta a maioria dos realizadores, mas só poucos sabem como usá-lo e bem. Nada foi deixado ao acaso, a palete de cores, os contrastes, os cenários. Travellings panorâmicos por paisagens cheias de neve, pontes suspensas, as linhas das auto estradas tudo entra em cena como se fosse desenhado à mão. A maior parte do tempo o filme leva a uma imersão na realidade de estar dentro do carro mas em que se esquece que se está num carro, ou esquecer que eles, os personagens, estão num carro. Ficamos tão absorvidos pela vida dessas pessoas que se esquece que estamos a assistir a um filme.
O filme começa com um prólogo de pré-abertura de cerca de quarenta minutos centrado no renomado diretor de teatro/ator Yusuke Kafuku (Hidetoshi Nishijima) e a sua esposa/companheira, Oto (Reika Kirishima). Uma escritora/argumentista de TV com uma propensão por criar ideias de histórias eróticas enquanto está na cama com o marido. Depois de uma tragédia que não vou revelar para não ser spoiler, a narrativa avança dois anos para encontrar um Yusuke empenhado no processo de montar uma nova produção multilingue do “Tio Vanya” de Anton Chekhov para um festival de teatro em Hiroshima. Como Yusuke desempenhou o papel titular no passado com aclamação da crítica, é amplamente esperado que ele assuma essa tarefa mais uma vez. Em vez disso, Yusuke curiosamente lança o jovem Koji Takatsuki (Masaki Okada), um jovem galã famoso.
Os produtores do festival exigem que o encenador seja conduzido de e para o teatro durante sua residência de dois meses. Yusuke inicialmente opõe-se às exigências, dado a sua relação com o seu Saab 900 Turbo vermelho, que para além de ser quase uma personagem central do filme, é o santuário de inspiração artística, onde ele ouve continuamente gravações dos textos das peças, recitadas pela esposa. Acaba por ceder depois à piloto de 23 anos Misaki Watari (Toko Miura) que o impressiona durante um test drive e promete permanecer em silêncio durante suas viagens juntos. A princípio, o carro oferece proteção e fuga para Yusuke. É um exoesqueleto que o protege do mundo exterior, um espaço assombrado, onde medita sozinho. Embora ele esteja incerto sobre Misaki inicialmente, ela está mais do que feliz em ouvir a K7 com ele. À medida que a história avança, a K7 passa cada vez com menos frequência. Eles envolvem-se com o próprio mundo de uma forma crescente. Os assentos do Saab funcionam como uma divisória, obstruindo a conversa entre motorista e passageiro. Yusuke acabará por se mover do banco de trás do carro para o banco da frente para sentar ao lado de Misaki. Tornam-se mais iguais, amigos até.
Yusuke tem o Saab há 15 anos. Ele explica sucintamente que é “bem antigo e tem peculiaridades” e pode ser difícil no começo (embora ele não consiga identificar nenhum problema com os componentes elétricos ou mecânicos). O Saab é tão idiossincrático e antigo quanto Yusuke, um homem que não está só em sofrimento, mas a envelhecer. O Saab é um carro peculiar para pessoas peculiares, e o Saab de Yusuke certamente tem as suas próprias pequenas peculiaridades, o leitor de K7s no em vez de um sistema de som moderno ou o volante à esquerda num Japão onde o volante se encontra à direita. Yusuke mantém o carro em condições imaculadas, porém, é óbvio o quanto ele o ama. O Saab é uma extensão de si mesmo. Também cresce em Misaki: “Gosto daquele carro. Posso dizer que foi tratado com cuidado, então também quero conduzi-lo com cuidado.”
Sendo um pequeno pormenor mas que revela o empenho e trabalho envolvido neste filme, é simplesmente fascinante que a produção de Yusuke seja apresentada em vários idiomas ao mesmo tempo, com actores a falar em japonês, mandarim, coreano e até em língua gestual coreana – todos juntos no mesmo palco, com legendas em várias linguagens projetadas acima do proscênio.

“Drive my Car – I’m gonna be a star and maybe I love you”
Classificação dos Leitores5 Votes
5
Skip to content